rvnovaes

Materiais e Links – Instituições de Direito Romano

Fontes textuais Código Teodosiano [Latim] – The Latin Library Corpus Juris Civilis [Latim] – The Latin Library Corpus Scriptorum Latinorum – A Digital Library of Latin Literature Da República – Cícero [Português e Latim] – Tradução de Isadora Prévide Bernardo – Biblioteca de teses da USP. Tradução dos três primeiros livros. Diga-se, esses três primeiros …

Materiais e Links – Instituições de Direito Romano Leia mais »

Materiais e Links – Ciência de Dados Aplicada ao Direito, Sistemas de Informação Jurídicos e Gestão de Serviços Jurídicos

Sites Associação Brasileira de Jurimetria Conjuntos de dados (datasets) do Kaggle Python para Zumbis – Curso on-line e gratuito de Python para iniciantes – Fernando Massanori Repositório Jurimetria no GitHub The Society for Empirical Legal Studies – Cornell University Materiais para download e acesso on-line Business Model Canvas com exemplo e perguntas. Design Thinkers Group. …

Materiais e Links – Ciência de Dados Aplicada ao Direito, Sistemas de Informação Jurídicos e Gestão de Serviços Jurídicos Leia mais »

Conteúdo Programático – Ciência de Dados Aplicada ao Direito, Sistemas de Informação Jurídicos e Gestão de Serviços Jurídicos

Disciplina Optativa: Tópicos em Teoria Geral do Direito: Ciência de Dados Aplicada ao Direito, Sistemas de Informação Jurídicos e Gestão de Serviços Jurídicos Código: DIT049 Departamento: DIREITO DO TRABALHO E INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Carga horária total: 30 h/a Créditos: 02 Ementa Realismo Jurídico e análise estatística do Direito. Ciência de dados, jurimetria e …

Conteúdo Programático – Ciência de Dados Aplicada ao Direito, Sistemas de Informação Jurídicos e Gestão de Serviços Jurídicos Leia mais »

Software livre, licenciamento de software e acesso ao conhecimento

Num mundo em que cada vez mais as nossas atividades dependem do bom desempenho dos softwares que as estruturam, a criação e a divulgação de softwares livres proporcionou acesso ao conhecimento, à pesquisa e ao desenvolvimento em países como o Brasil, que sem a utilização destas plataformas sofreriam ainda mais em razão de sua defasagem tecnológica se os comparamos aos desenvolvidos. O open source software difere do licenciamento de direitos autorais tradicional ao permitir a distribuição e a modificação pelos usuários dos softwares que utilizam. Todavia, apesar da nomenclatura comum, há diferentes modalidades de abertura e utilização destas ferramentas e estas diferenças têm repercussões jurídicas, tecnológicas e econômicas sérias. Temos desde softwares abertos que permitem ao usuário todo e qualquer tipo de uso de seu código, inclusive o econômico; até aqueles que exigem que todo uso seja também liberado em código aberto. Nos EUA existe uma bem estruturada legislação e já formada jurisprudência sobre estas modalidades de utilização do open source software. No Brasil, o mundo jurídico ainda não se deteve sobre a regulamentação precisa destas modalidades de software livre, suas possíveis utilizações e sobre as consequências jurídicas do descumprimento destas regras. Entretanto, nas últimas décadas o governo brasileiro tem apoiado a utilização de softwares livres em suas organizações. Nesse artigo, discorremos sobre a legislação brasileira em relação ao licenciamento de software livre e analisamos as justificativas de ganho de produtividade e economia financeira utilizadas para a adoção desses sistemas. Assim, pretendemos demonstrar que a utilização de softwares livres é fundamental à promoção do desenvolvimento econômico e tecnológico, em especial em países como o nosso. O acesso aos softwares livres é vital para a melhor organização de governos e possibilita a transparência e a efetivação dos direitos humanos.

Uma introdução à conexão entre o pensamento teórico e prático de Kant

Num mundo em que cada vez mais as nossas atividades dependem do bom desempenho dos softwares que as estruturam, a criação e a divulgação de softwares livres proporcionou acesso ao conhecimento, à pesquisa e ao desenvolvimento em países como o Brasil, que sem a utilização destas plataformas sofreriam ainda mais em razão de sua defasagem tecnológica se os comparamos aos desenvolvidos. O open source software difere do licenciamento de direitos autorais tradicional ao permitir a distribuição e a modificação pelos usuários dos softwares que utilizam. Todavia, apesar da nomenclatura comum, há diferentes modalidades de abertura e utilização destas ferramentas e estas diferenças têm repercussões jurídicas, tecnológicas e econômicas sérias. Temos desde softwares abertos que permitem ao usuário todo e qualquer tipo de uso de seu código, inclusive o econômico; até aqueles que exigem que todo uso seja também liberado em código aberto. Nos EUA existe uma bem estruturada legislação e já formada jurisprudência sobre estas modalidades de utilização do open source software. No Brasil, o mundo jurídico ainda não se deteve sobre a regulamentação precisa destas modalidades de software livre, suas possíveis utilizações e sobre as consequências jurídicas do descumprimento destas regras. Entretanto, nas últimas décadas o governo brasileiro tem apoiado a utilização de softwares livres em suas organizações. Nesse artigo, discorremos sobre a legislação brasileira em relação ao licenciamento de software livre e analisamos as justificativas de ganho de produtividade e economia financeira utilizadas para a adoção desses sistemas. Assim, pretendemos demonstrar que a utilização de softwares livres é fundamental à promoção do desenvolvimento econômico e tecnológico, em especial em países como o nosso. O acesso aos softwares livres é vital para a melhor organização de governos e possibilita a transparência e a efetivação dos direitos humanos.