Pessoa Natural – Existência e Personalidade – Instituições de Direito Romano

Leitura e links para a aula:

KASER, Max. Direito Romano Privado. Capítulo 2. Direito das Pessoas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1999. [Português]

Digesto, XXV, 4

Traduções nossas, baseadas no texto original de Scott, 1932.

De inspiciendo ventre custodiendoque partu.
Ulpianus libro 24 ad edictum
No que diz respeito ao exame das mulheres grávidas e aos cuidados do parto.
Temporibus divorum fratrum cum hoc incidisset, ut maritus quidem praegnatem mulierem diceret, uxor negaret, consulti Valerio Prisciano praetori urbano rescripserunt in haec verba: “Novam rem desiderare Rutilius Severus videtur, ut uxori, quae ab eo diverterat et se non esse praegnatem profiteatur, custodem apponat, et ideo nemo mirabitur, si nos quoque novum consilium et remedium suggeramus. Igitur si perstat in eadem postulatione, commodissimum est eligi honestissimae feminae domum, in qua domitia veniat, et ibi tres obstetrices probatae et artis et fidei, quae a te adsumptae fuerint, eam inspiciant. Et si quidem vel omnes vel duae renuntiaverint praegnatem videri, tunc persuadendum mulieri erit, ut perinde custodem admittat atque si ipsa hoc desiderasset: quod si enixa non fuerit, sciat maritus ad invidiam existimationemque suam pertinere, ut non immerito possit videri captasse hoc ad aliquam mulieris iniuriam. Si autem vel omnes vel plures non esse gravidam renuntiaverint, nulla causa custodiendi erit”.No tempo dos Irmãos Divinos apareceu um marido que declarou que sua esposa estava grávida, mas ela negou, e os imperadores, consultados sobre o assunto, dirigiram um Rescrito a Valério Prisciano, o Pretor Urbano, nos seguintes termos. “Rutilius Severus parece pedir algo extraordinário ao solicitar um guardião para sua esposa, que é divorciada dele e que afirma que não está grávida. Portanto, ninguém ficará surpreso se também sugerirmos um novo plano e um remédio. Se o marido persistir em sua demanda, será mais conveniente que a casa de uma mulher respeitável seja escolhida para a qual Domícia possa ir, e que três parteiras, experientes em sua profissão e dignas de confiança, depois de escolhidas por você, examiná-la. E se todos eles, ou apenas dois, anunciarem que ela parece estar grávida, então a mulher deve ser persuadida a receber um cuidador, como se ela própria tivesse pedido. O marido saberá que incorrerá em desonra e que a sua reputação estará envolvida, e não será injustificável que tenha inventado isso para prejudicar a esposa, se, no entanto, todas as mulheres ditas ou a maioria delas , declarar que a mulher não está grávida, e não haverá razão para a nomeação de um custodiante “.
(1) Ex hoc rescripto evidentissime apparet senatus consulta de liberis agnoscendis locum non habuisse, si mulier dissimularet se praegnatem vel etiam negaret, nec immerito: partus enim antequam edatur, mulieris portio est vel viscerum. Post editum plane partum a muliere iam potest maritus iure suo filium per interdictum desiderare aut exhiberi sibi aut ducere permitti. Extra ordinem igitur princeps in causa necessaria subvenit.(1) É perfeitamente evidente a partir deste rescrito que os decretos do Senado relativos ao reconhecimento de crianças não se aplicam, se a mulher fingiu que estava grávida, ou até mesmo negou que fosse esse o caso. E isso não é razoável, pois a criança é uma parte da mulher, ou de suas entranhas, antes de nascer. Depois que nasce, no entanto, é claro que o marido pode, de acordo com seus direitos, por meio de um interdito, exigir que a criança seja trazida à sua presença, ou que ele seja permitido por um procedimento extraordinário a remover isto. Portanto, o Imperador chega ao seu alívio quando é necessário.
(2) Secundum quod rescriptum evocari mulier ad praetorem poterit et apud eum interrogari, an se putet praegnatem, cogendaque erit respondere.(2) De acordo com este rescrito, uma mulher pode ser convocada perante o Pretor e, tendo sido interrogada se ela acredita que está grávida, pode ser obrigada a responder.
(3) Quid ergo, si non responderit aut non veniat ad praetorem? Numquid senatus consulti poenam adhibemus, scilicet ut liceat marito non agnoscere? Sed finge non esse eo contentum maritum, qui se patrem potius optet quam carere filio velit. Cogenda igitur erit remediis praetoris et in ius venire, si venit, respondere: pignoraque eius capienda et distrahenda, si contemnat, vel multis coercenda.(3) O que deve ser feito caso ela não responda, ou não compareça perante o Pretor? Aplicaremos a pena fixada pelo Decreto do Senado, ou seja, que o marido tenha o direito de não reconhecer a criança? Mas suponha que o marido não esteja contente com isso e que prefira ser pai em vez de ser privado de seu filho? Então a mulher será compelida pela autoridade do Pretor a entrar em tribunal, e se ela vier, responder; e se ela recusar, seus bens serão levados em execução e vendidos, ou ela será punida com multa.
(4) Quid ergo, si interrogata dixerit se praegnatem? Ordo senatus consultis expositus sequetur. Quod si negaverit, tunc secundum hoc rescriptum praetor debebit obstetrices adhibere.(4) Mas e se, tendo sido interrogada, ela dissesse que está grávida? O curso prescrito pelo Decreto do Senado deve então ser seguido. Se, no entanto, ela deve negar que está grávida, então, de acordo com este rescrito, o Pretor deve convocar as parteiras.
(5) Et notandum, quod non permittitur marito vel mulieri obstetricem adhibere, sed omnes a praetore adhibendae sunt.(5) Deve-se notar que nem o marido nem a esposa podem convocar parteiras, mas devem todas ser convocadas pelo Pretor.
(6) Item praetor domum honestae matronae eligere debet, in qua mulier veniat, ut possit inspici.(6) O Pretor também deve selecionar a casa da respeitável matrona para a qual a mulher deve ir, a fim de que ela possa ser examinada.
(7) Quid ergo, si inspici se non patiatur vel ad domum non veniat? Aeque praetoris auctoritas interveniet.(7) O que deve ser feito se a mulher não se permitir ser examinada ou se recusar a ir à casa? Sob estas circunstâncias, a autoridade do Pretor também deve ser invocada.
(8) Si omnes vel plures renuntiaverint praegnatem non esse, an mulier possit iniuriarum experiri ex hac causa? Et magis puto agere eam iniuriarum posse, sic tamen, si iniuriae faciendae causa id maritus desideravit: ceterum si non iniuriae faciendae animo, sed quia iuste credidit vel nimio voto liberorum suscipiendorum ductus est vel ipsa eum illexerat ut crederet, quod constante matrimonio hoc fingebat, aequissimum erit ignosci marito.(8) Se todas, ou a maioria das parteiras, declararem que a mulher não está grávida, ela pode propor uma ação por causa da injúria cometido? Eu acho que a melhor opinião é que ela pode propor tal ação, desde que, no entanto, seu marido, ao tomar este caminho, desejasse causar seu prejuízo. Mas se ele não tinha intenção de feri-la, mas, na verdade, acreditava que ela estava grávida, tendo sido influenciada por um desejo extremo de ter filhos, ou porque ela mesma induziu-o a pensar assim, tendo durante o casamento fingido que este era o caso, será perfeitamente justo que o marido seja desculpado.
(9) Meminisse autem oportet tempus non esse praestitutum rescripto, quamvis in senatus consultis de liberis agnoscendis triginta dies praestituantur mulieri. Quid ergo? Semper dicemus marito licere uxorem ad praetorem evocare, an vero et ipsi triginta dies praestituimus? Et putem praetorem causa cognita debere maritum et post triginta dies audire.(9) Além disso, deve-se lembrar que nenhum tempo foi fixado pelo rescrito, embora nos Decretos do Senado referentes ao reconhecimento de crianças tenha sido estabelecido o prazo de trinta dias para a mulher anunciar sua gravidez. O que então deveria ser feito? Devemos dizer que o marido pode sempre convocar sua esposa antes do Pretor ou devemos nomear trinta dias para que ele o faça? Eu acho que, quando a causa apropriada é mostrada, o Pretor também deve ouvir o marido depois de trinta dias.
(10) De inspiciendo ventre custodiendoque partu sic praetor ait: “Si mulier mortuo marito praegnatem se esse dicet, his ad quos ea res pertinebit procuratorive eorum bis in mense denuntiandum curet, ut mittant, si velint, quae ventrem inspicient.

Mittantur autem mulieres liberae dumtaxat quinque haeque simul omnes inspiciant, dum ne qua earum dum inspicit invita muliere ventrem tangat.

Mulier in domu honestissimae feminae pariat, quam ego constituam. Mulier ante dies triginta, quam parituram se putat, denuntiet his ad quos ea res pertinet procuratoribusve eorum, ut mittant, si velint, qui ventrem custodiant. In quo conclavi mulier paritura erit, ibi ne plures aditus sint quam unus: si erunt, ex utraque parte tabulis praefigantur.

Ante ostium eius conclavis liberi tres et tres liberae cum binis comitibus custodiant. Quotienscumque ea mulier in id conclave aliudve quod sive in balineum ibit, custodes, si volent, id ante prospiciant et eos qui introierint excutiant.

Custodes, qui ante conclave positi erunt, si volunt, omnes qui conclave aut domum introierint excutiant.

Mulier cum parturire incipiat, his ad quos ea res pertinet procuratoribusve eorum denuntiet, ut mittant, quibus praesentibus pariat. Mittantur mulieres liberae dumtaxat quinque, ita ut praeter obstetrices duas in eo conclavi ne plures mulieres liberae sint quam decem, ancillae quam sex.

Hae quae intus futurae erunt excutiantur omnes in eo conclavi, ne qua praegnas sit. “Tria lumina ne minus ibi sint”, scilicet quia tenebrae ad subiciendum aptiores sunt.

“Quod natum erit, his ad quos ea res pertinet procuratoribusve eorum, si inspicere volent, ostendatur. Apud eum educatur, apud quem parens iusserit. Si autem nihil parens iusserit aut is, apud quem voluerit educari, curam non recipiet: apud quem educetur, causa cognita constituam.

Is apud quem educabitur quod natum erit, quoad trium mensum sit, bis in mense, ex eo tempore quoad sex mensum sit, semel in mense, a sex mensibus quoad anniculus fiat, alternis mensibus, ab anniculo quoad fari possit, semel in sex mensibus ubi volet ostendat. Si cui ventrem inspici custodirive adesse partui licitum non erit factumve quid erit, quo minus ea ita fiant, uti supra compprehensum est: ei quod natum erit possessionem causa cognita non dabo. Sive quod natum erit, ut supra cautum est, inspici non licuerit, quas utique actiones me daturum polliceor his quibus ex edicto meo bonorum possessio data sit, eas, si mihi iusta causa videbitur esse, ei non dabo”.
(10) Com referência ao exame de uma mulher grávida, e as precauções a serem tomadas no momento do parto, o Pretor diz: “Se uma mulher, após a morte de seu marido, declarar que está grávida, ela deve tomar o cuidado de notificar as partes interessadas ou seu agente, duas vezes no mês subseqüente à sua morte, para que possam enviar pessoas para examiná-la, se assim o desejarem.

Serão enviadas mulheres livres no número de cinco, e todas eles farão o exame uma vez, mas nenhuma, enquanto estiverem fazendo o exame, tocará o ventre da mulher sem o seu consentimento.

A mulher será entregue na casa de uma respeitável matrona, a quem eu designarei. Trinta dias antes do parto ela deve notificar as partes interessadas ou seus agentes para enviar pessoas para estarem presentes em seu parto, se eles desejarem fazê-lo. Deve haver apenas uma entrada para a sala onde a mulher deve ser entregue e se houver mais, ela deverão ser fechadas por tábuas.

Diante da porta desta sala, três homens livres e três mulheres livres, juntamente com dois companheiros, devem vigiar. Toda vez que a dita mulher entrar nesta sala, ou em qualquer outra, ou for ao banheiro, os custodiantes podem previamente fazer um exame dela, se assim desejarem, e também revistar quaisquer pessoas que possam entrar nela.

Os guardiões que são colocados em frente à sala podem revistar todas as pessoas que entram nela ou na casa, se assim o desejarem.

Quando a mulher começar dar a luz seu filho, ela deve notificar todas as partes interessadas, ou seus agentes, a fim de que possam enviar pessoas para estar presentes em seu parto. Serão enviadas pelo número de cinco mulheres livres, de modo que, além de duas parteiras, não haja mais de dez mulheres livres, nem mais de seis escravas.

Todas aquelas que estiverem presentes na sala devem ser revistadas, por receio de que uma delas possa estar grávida. Não haverá menos de três luzes na referida sala, porque a escuridão é melhor adaptada para a substituição de uma criança.

Quando a criança nascer, ela deverá ser mostrada às partes interessadas, ou a seus agentes, se desejarem inspecioná-la. Será criado por quem o pai designar. Se o pai não der instruções a esse respeito, ou a pessoa por quem ele deseja ser educado não se encarregará dele, isso será feito por alguém por mim designado, depois que a causa apropriada for mostrada.

A pessoa por quem a criança deve ser criada a apresentará, depois de ter atingido a idade de três meses, duas vezes por mês até os seis meses de idade; e uma vez por mês, e a partir dos seis meses de idade até atingir a idade de um ano, será produzido a cada dois meses; e depois de completar um ano, até que ele possa falar, ele deve exibi-lo uma vez a cada seis meses, onde quer que ele deseje. Se as partes interessadas não tiverem permissão para examinar a mulher e para vigiá-la, ou para estar presente ao seu parto, e nada for feito para impedir o que está exposto acima, não concederei permissão para a posse da criança depois que eu tomei conhecimento do caso, nem o farei onde a criança não possa ser examinada, como é fornecido anteriormente. Onde me parece que existe uma boa razão, não concederei aquelas ações que prometo àqueles a quem a propriedade foi dada de acordo com o meu Edito. “
(11) Quamvis sit manifestissimum edictum praetoris, attamen non est neglegenda interpretatio eius.(11) Embora o Edito do Pretor esteja perfeitamente claro, ainda assim sua interpretação não deve ser negligenciada.
(12) Denuntiare igitur mulierem oportet his scilicet, quorum interest partum non edi, vel totam habituris hereditatem vel partem eius sive ab intestato sive ex testamento.(12) Assim, a mulher deve notificar as partes interessadas, isto é, aqueles cujo interesse é que ela não deve ter filhos, ou aqueles que têm direito a toda a propriedade ou a uma parte dela, seja como herdeiros da lei ou sob a vontade.
(13) Sed et si servus heres institutus fuerit, si nemo natus sit, aristo scribit, huic quoque servo quamvis non omnia, quaedam tamen circa partum custodiendum arbitrio praetoris esse concedenda. Quam sententiam puto veram: publice enim interest partus non subici, ut ordinum dignitas familiarumque salva sit: ideoque etiam servus iste, cum sit in spe constitutus successionis, qualisqualis sit, debet audiri rem et publicam et suam gerens.(13) Se, no entanto, um escravo tiver sido nomeado herdeiro e não houver filhos; Aristo afirma que, neste caso, está no poder do Pretor permitir que ele tome não todos, mas algumas das precauções com referência ao parto. Eu acho que esta opinião está correta. Pois é do interesse do público que não haja substituição de uma criança, a fim de que a honra das pessoas de posição social, assim como das famílias, possa ser preservada. Portanto, quando um escravo desse tipo tiver sido designado com a expectativa da sucessão, ele deve ser ouvido; não importa qual seja a sua posição, já que ele está agindo tanto no interesse público quanto no dele.
(14) Denuntiari autem oportet his, quos proxima spes successionis contingit, ut puta primo gradu heredi instituto (non etiam substituto) et, si intestatus pater familias sit, ei qui primum locum ab intestato tenet: si vero plures sint simul successuri, omnibus denuntiandum est.
(14) Além disso, devem também ser notificados aqueles que são os seguintes na linha de sucessão; como, por exemplo, o herdeiro designado em primeiro grau, mas não aquele que foi substituído; e se o chefe da família morreu intestado, devem ser notificados quem ocupa o primeiro lugar na linha de sucessão. Onde, no entanto, existem vários que têm o direito de ter sucesso ao mesmo tempo, todos eles devem ser notificados.
(15) Quod autem praetor ait causa cognita se possessionem non daturum vel actiones denegaturum, eo pertinet, ut, si per rusticitatem aliquid fuerit omissum ex his quae praetor servari voluit, non obsit partui. Quale est enim, si quid ex his, quae leviter observanda praetor edixit, non sit factum, partui denegari bonorum possessionem: sed mos regionis inspiciendus est, et secundum eum et observari ventrem et partum et infantem oportet.(15) Novamente, quando o Pretor diz que ele não concederá a possessão depois de ter tomado conhecimento do caso, ou que ele recusará certas ações, isto se refere a um caso em que, por ignorância, alguma provisão foi negligenciada daquelas que o Pretor desejava que fosasem observadas; mas isso não prejudica os direitos da criança. Que tipo de regra seria se uma das formalidades insignificantes que o Pretor declara que devem ser observadas não fosse executada, e a propriedade fosse recusada à criança? O costume reginal deve ser seguido e, de acordo com ele, a mulher deve ser examinada, e a entrega e o parto da criaça devem ser observados.